quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Olhar de um mendigo.

Deixe que eu me apresente: o meu nome é Zé. Zé de quê? Pouco importa. Não me atrai os sobrenomes, estes não significam nada para mim. Prefiro ser o Zé. É assim que eles me chamam. Eu vivo aqui, ali, em qualquer lugar comum, assim como eu. Vocês podem até me achar engraçado, mas apesar de viver dessa forma, tenho o olhar observador. Mas observo o que está além – o que não é aparente aos olhos. Consigo ver o que os outros não querem enxergar.
Eu não desperto a atenção alheia, não tenho grana, nem sou interessante. As roupas que eu uso são as únicas que tenho. Na verdade, é a que melhor define o que eu gosto de ser - preto me cai muito bem.  Outro dia, estava caminhando pela orla e, observando os transeuntes, questionei-me: como seria possível não observar ou ser observado nesse emaranhado de estranhos? As pessoas estão tão presas dentro de si mesmas que o olhar está voltado para o que não é real. Como podem ser tão insensatas? Pensei.
Os cães de rua são os meus amigos fiéis. Nunca me deixam sozinho. O meu parceiro de todas as horas é o bolinho. O bolinho parece ter a minha personalidade. O vira-lata mais amável que eu pude conhecer. Às vezes, ele sai por ai e retorna sempre trazendo algo em uma sacola. Deve ser alguém que ele conquistou e envia por ele alguns restos de alimento. Ele traz para mim. A nossa parceria é linda demais. No último Natal ele chegou trazendo um pedaço de pizza. Era a primeira vez que eu degustava um. Sabem como é, pizza para um cara como eu, só em sonho, ou anualmente, quem sabe.
É... Eu sou o Zé. Não tenho casa, não tenho grana, não tenho pizza, nem tampouco Natal. O que me resta é continuar invisível e sempre com o olhar atento. O bolinho e eu nos viramos muito bem. Vejo as ruas se enchendo de enfeites e bonecos de barba branca, vejo as lojas com músicas engraçadas, querendo chamar a atenção. Outro Natal já se aproxima, e eu continuo enxergando as pessoas dentro de suas bolhas, de suas vidas lacradas. Quem sabe este ano eu não deguste outro pedaço de pizza?

Anderson Oliveira.

2 comentários: