quarta-feira, 7 de novembro de 2012

O mundo de sal.

Abriga-me o que for abrigo
e afasta de mim, todo o mal.
Estradas e pontes perdidas,
abrindo ou curando as feridas...
O mundo que é feito de sal.

Colóquio infinito do mundo
não sabe sequer, num segundo;
o porto, pós parto: Nassau.

Anderson Oliveira.

Um comentário: