quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Maledicência.


Na maledicência do ato,
corpo nu que te pertence,
da troca “no innocence”;
dos corpos configurados.

Dos beijos enlouquecidos,
degustar-se sem sentido;
sentir ao ser degustado.

Invadir – chegar ao meio,
plantar-se no infinito,
findar-se no ventre limpo;
jorrar no rio do teu vão.

Anderson Oliveira.

2 comentários:

  1. Interessante, gostei. Parabéns! ;)
    escritor-de-gaveta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Uma pornografia poética com ares de eroticidade desnuda.

    Adorei!
    Beijos.

    ResponderExcluir